GPS Brasília comscore

ANS pede esclarecimentos à Golden Cross após suspensão da venda de planos de saúde

Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) não recebeu pedido de suspensão da operadora
A ANS disse que não recebeu pedido para a suspensão e, por isso, a Golden Cross não está autorizada a adotar a medida
A ANS disse que não recebeu pedido para a suspensão e, por isso, a Golden Cross não está autorizada a adotar a medida. Foto: Marcello Casal Jr/Agência Brasil

Compartilhe:

A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) aguarda esclarecimentos da Golden Cross sobre a suspensão da venda dos planos de saúde. A ANS disse que não recebeu, até o momento, pedido para essa suspensão e, por isso, a operadora não está autorizada a adotar a medida. A agência enviou, na última sexta-feira (7), ofício solicitando esclarecimentos à operadora, depois de anúncios veiculados na imprensa sobre a suspensão da venda.

“A operadora não está autorizada a suspender a comercialização de seus produtos na data anunciada (18 de junho), devendo todos aqueles que estiverem registrados na reguladora e com o status de “ativos” permanecerem disponíveis para aquisição dos consumidores, até que a suspensão seja devidamente autorizada pela ANS”, diz a agência.

A ANS informou ainda que com relação à parceria para utilização da rede da Amil pelos beneficiários da Golden Cross, não há necessidade de autorização, já que isso é permitido por lei e normativos da saúde suplementar.

“Só é preciso comunicação à reguladora nos casos em que houver mudança do tipo de contratação (rede direta, indireta ou própria) que havia sido registrada. Como a Golden Cross informou à ANS, para atuar apenas com rede direta, seja para prestadores hospitalares quanto não hospitalares, ela precisará fazer alteração no registro junto à reguladora para utilizar a rede da Amil (rede indireta),o que ainda não foi feito”.

A ANS ressaltou que, por não se tratar de transferência de carteira, nada muda no atendimento aos clientes e a Golden Cross continua responsável pela prestação de assistência. “As operadoras são obrigadas a oferecer aos beneficiários todos os serviços previstos no Rol de Procedimentos e Eventos em Saúde, de acordo com o contrato e dentro dos prazos definidos pela agência”, informou. A Golden Cross foi procurada mas não respondeu até a publicação desta reportagem.