GPS Brasília comscore

Por que precisamos de anos bissextos? Entenda a função do dia a mais

O formato bissexto foi incorporado ao calendário pela primeira vez com o imperador romano Júlio César
Foto: Unsplash
Foto: Unsplash

Compartilhe:

Os anos bissextos existem para “compensar”, a cada quatro anos, as seis horas a mais que se acumulam no formato do calendário de 365 dias. Isso porque o período de translação da Terra em torno do Sol não ocorre precisamente nos 365 dias, restando uma sobra de horas que, somada, chegam a 24 horas a cada ciclo de quatro anos.

O formato bissexto foi incorporado ao calendário pela primeira vez com o imperador romano Júlio César em cerca de 45 a.C. “O calendário romano antigo era muito irregular, estava completamente desconectado do ciclo das estações do ano, por isso a mudança”, explica Roberto Dell’Aglio Dias da Costa, doutor em Astronomia e professor do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da Universidade de São Paulo (USP). Em homenagem ao imperador, este calendário ficou conhecido como calendário juliano.

As incoerências entre o calendário e as estações aconteceram naquele período graças ao movimento de translação da Terra, tempo em que o planeta demora para completar uma volta completa ao redor do sol. Este período, definido como ano, não tem um tempo exato de conclusão; os 365 dias comumente falados, na verdade são cerca de 365 dias e 6 horas de duração.

“Para nos adequarmos ao fenômeno natural da translação nós pegamos as 6 horas que restam e vamos guardando. No primeiro ano então teremos um saldo de 6 horas, no segundo um saldo de 12 horas, no terceiro 18 horas e finalmente no quarto ano, já com saldo de 24 horas, adicionamos um dia ao calendário anual”, explica Sebastian Alvarado, geógrafo pela Unicamp e professor do Curso Anglo.

“Se a gente não fizesse a inclusão desse dia adicional não seguiríamos as estações do ano de forma correta”, segundo Dell’Aglio.

Após Júlio César, o calendário passou novamente por reformas em 1582, uma iniciativa do Papa Gregório XIII. O calendário gregoriano, em homenagem ao pontífice, é o modelo seguido até hoje, ele foi implementado para, novamente, acompanhar corretamente o ciclo das estações.

A partir do novo calendário ficou estipulado que o ano tem cerca de 365 dias, 5 horas, 48 minutos e 46 segundos. Agora, o próximo ano a ter 29 dias em fevereiro será 2028.