GPS Brasília comscore

Médico do DF está entre as vítimas do acidente de avião no Amazonas que matou 14 pessoas

O avião levava 12 passageiros, entre eles quatro moradores de Goiás e cinco executivos de Minas
Destroços do avião que caiu com 12 turistas a caminho de Barcelos (AM), destino de pesca esportiva.
Destroços do avião que caiu com 12 turistas a caminho de Barcelos (AM), destino de pesca esportiva. Foto: Reprodução/Twitter

Compartilhe:

Um avião de pequeno porte com turistas caiu na tarde de sábado (16) na região de Barcelos, no interior do Amazonas, e deixou 14 mortos. As autoridades ainda vão investigar as causas da queda, mas as informações preliminares são de que o mau tempo contribuiu para o desastre.

Entre as vítimas do acidente estão o médico de Brasília Roland Montenegro Costa, de 70 anos. Nascido em Viana (MA), formou-se pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Maranhão, em 1978. Ele fez residência médica em cirurgia geral no Hospital de Base do Distrito Federal, de 1979 a 1981. Referência em cirurgia do aparelho digestivo, foi pioneiro nos transplantes em Brasília. Atendia em consultório particular e operava em alguns hospitais da capital. Roland já havia se aposentado do Hospital de Base, o maior do Distrito Federal.

Além dele, outros quatro pessoas moradoras de Goiás estavam na aeronave: Gilcrésio Salvador Medeiros, dono de uma pousada em Niquelândia; Fábio Campos Assis, dono de um comércio em Anápolis; Witter Ferreira de Faria, natural de Itumbiara e empresário no ramo do agronegócio em Uruaçu; e Marcos de Castro Zica. Ele tinha 48 anos, era engenheiro agrônomo, morava entre Goiânia e Uruaçu, sua cidade natal. Casado e com dois filhos, Marcos tinha lavouras na região de Uruaçu e Mara Rosa, além de um armazém em Mara Rosa. 

Também estão entre as vítimas cinco executivos de Minas Gerais: Euri Paulo dos Santos, Fábio Ribeiro, Hamilton Alves Reis, Heudes Freitas, e Luiz Carlos Cavalcante Garcia. Todos eles moravam em Uberlândia e eram executivos do Grupo Algar.

Veja o que se sabe até agora sobre o acidente:

Quem estava no voo?

O avião levava 14 pessoas: piloto, copiloto e 12 passageiros, todos turistas que iam para Barcelos para pesca esportiva. Não houve sobreviventes. 

Uma das vítimas foi o empresário Gilcrésio Salvador Medeiros, 74 anos, dono da pousada Serra da Mesa, em Niquelândia (GO), a aproximadamente 260 quilômetros de Brasília. “Ele se foi de uma forma inesperada, mas estava indo fazer o que mais amava na vida: pescar“, foi postado no perfil oficial da pousada.

Qual era o trajeto no voo?

O avião partiu de Manaus rumo a Barcelos, a aproximadamente 400 quilômetros da capital amazonense, na margem direita do Rio Negro.

Qual era o modelo do avião?

Era um modelo Embraer EMB-110 Bandeirante, com capacidade para transportar até 18 passageiros.

O avião estava regular?

O avião tinha autorização da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) para operação como táxi aéreo e a situação de aeronavegabilidade era considerada normal. Em nota, a agência disse lamentar o acidente.

A Força Aérea Brasileira (FAB) informou que investigadores do Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Cenipa) foram acionados para avaliar a queda da aeronave de matrícula PT-SOG.

De quem era a aeronave?

A aeronave pertencia à Manaus Aerotáxi. Em coletiva de imprensa neste sábado, o comandante do Sétimo Comando Aéreo Regional (VII COMAR), Brigadeiro do Ar David Almeida Alcoforado, disse que “se trata de uma empresa séria e já conhecida no Estado”.

Em nota publicada em rede social, a empresa disse lamentar “profundamente” o caso. “A segurança dos passageiros e tripulação é sempre a prioridade da Manaus Aerotáxi, por isso estamos certos que a aeronave e tripulação envolvida no sinistro atendiam a todas as exigências da autoridade de aviação civil necessárias à aeronavegabilidade, e estamos comprometidos em esclarecer todos os detalhes relacionados a este acidente”, destacou.

Por que o avião caiu?

A causa do acidente ainda será apurada. A queda da aeronave ocorreu em um momento de forte chuva no local, perto da área de pouso. De acordo com autoridades locais, outras duas aeronaves desistiram de aterrissar no aeroporto local pouco antes do acidente.

“O tempo estava muito ruim. Na tentativa de pousar, aconteceu essa tragédia“, disse o prefeito de Barcelos, Edson Mendes (MDB).

Segundo o secretário de Segurança Pública do Amazonas, Coronel Vinícius Almeida, há relatos de que a aeronave teria pousado no meio da pista e não teria espaço suficiente para frear, o que ainda não foi confirmado.

Acidentes não têm uma causa única, e todos os fatores serão analisados. Em breve, um relatório será divulgado“, declarou o brigadeiro Alcoforado.

O aeroporto local está em boas condições para receber voos?

Conforme o governo do Estado, o aeroporto de Barcelos está em boas condições e regularizado para voos de pequeno porte. O espaço passará por uma reforma na pista a partir do dia 25, mas seguirá com pousos e decolagens durante o dia (essas atividades não são liberadas à noite na unidade).

Por que Barcelos é um destino turístico?

O município é um dos principais destinos internacionais de pesca esportiva e recreativa do país, buscado por visitantes brasileiros e estrangeiros, e a temporada atual havia acabado de começar.

O voo era destinado a levar turistas para pescar no Alto Rio Negro. O destino ecoturístico é buscado por acumular recordes de grandes tucunarés (que podem superar um metro de comprimento) e pelos peixes ornamentais em geral. Barcelos reúne cerca de 700 ilhas e é o 2º maior município do País. Os operadores de turismo locais chegam a oferecer serviços com barco-hotéis, com roteiros de dias.

A alta temporada da pesca desportiva vai de setembro a março. Neste mês, o governo estadual anunciou a expectativa de atrair mais de 30 mil turistas, do Brasil e do exterior, nesta temporada. A Empresa Estadual de Turismo (Amazonastur) estima que Barcelos concentra quase metade do turismo de pesca do Estado e que a temporada atual movimentará R$ 500 milhões, direta e indiretamente.

Últimas

Política