GPS Brasília comscore

Nikki Haley desiste da pré-candidatura pelo Partido Republicano

Donald Trump não tem mais rivais nas primárias e deve reencontrar o democrata Joe Biden nas urnas
Nikki Haley perdeu a chance de ser indicada após as derrotas nesta Superterça
Nikki Haley perdeu a chance de ser indicada após as derrotas nesta Superterça. Foto: reprodução/X

Compartilhe:

A republicana Nikki Haley anunciou, nesta quarta-feira (6), a retirada de sua candidatura à presidência pelo Partido Republicano após os resultados desfavoráveis obtidos nesta Superterça. Com isso, o ex-presidente Donald Trump não tem mais rivais nas primárias republicanas e se confirma como nomeação do partido, em uma reedição da disputa eleitoral de 2020 contra o democrata Joe Biden.

O anúncio foi feito durante em um discurso final da conservadora para apoiadores em Charleston, Carolina do Sul, onde ela foi governadora. “É hora de suspender a minha campanha”, afirmou. “Eu disse que queria que as vozes dos americanos fossem ouvidas. Eu fiz isso. Não estou arrependida”.

 

 
 
 
 
 
View this post on Instagram
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Nikki Haley (@nikkihaley)

Ex-embaixadora dos Estados Unidos na ONU e ex-governadora da Carolina do Sul, Haley venceu apenas em um dos 15 Estados, Vermont, que realizaram as primárias na Superterça. Trump ganhou nos restantes, totalizando 995 delegados contra 89 da republicana. São necessários 1.215 para confirmar a nomeação.

Antes desta terça-feira (5), Haley havia vencido Trump nas primárias de apenas um outro Estado, Washington, e possuía 43 delegados. A vitória do ex-presidente era esperada, mas havia dúvidas se Haley iria se manter na disputa até as convenções partidárias, em julho, na expectativa de Trump ser retirado da disputa por alguma questão jurídica – tese praticamente selada após a Suprema Corte decidir no dia 4 que o ex-presidente pode concorrer à reeleição.

Única mulher na corrida republicana e última grande rival de Trump, Nikki Haley se apresentou nas primárias como representante de uma mudança geracional que poderia agregar mais eleitores aos republicanos. Ela foi a primeira candidata a desafiar Trump e a última a retirar a candidatura, em uma eleição primária que possuía outros adversários, vistos no início como mais viáveis que Haley para derrotar o ex-presidente

A campanha da ex-governadora da Carolina do Sul, no entanto, não encontrou o apelo necessário em uma base republicana que se tornou majoritariamente apoiadora do ex-presidente. As pesquisas mostram que ela teve força entre independentes e mulheres suburbanas, grupos-chave nas eleições gerais. No final da campanha, agregou os diferentes grupos opositores, atraindo financiadores ricos, ativistas e outros republicanos que perderam a influência nos últimos anos, mas não foi suficiente para ameaçar o domínio de Trump sobre o partido.

Agora que ela retirou a candidatura, resta a dúvida se esses grupos irão ampliar a base apoiadora de Donald Trump. Há pelo menos três grupos entre eles, identificados em uma reportagem do The New York Times após entrevistar mais de 40 eleitores de Haley na Carolina do Sul: os que não irão votar; os que votarão em Trump, apesar da insatisfação; e os que cogitam votar em Biden.

Nas primárias, o ex-presidente republicano conseguiu reverter a seu favor o dano das 91 acusações criminais que enfrenta na Justiça americana, que serviram para mobilizar a sua base. Entretanto, não se sabe se Trump terá o mesmo sucesso entre grupos que estiveram com Haley, ou mesmo se irá buscar o apoio destes.

No discurso de encerramento nesta quarta-feira, a ex-embaixadora ampliou sua agenda política para pautas mais alinhadas à agenda de Donald Trump, citando preocupações com os gastos públicos, apoio à Ucrânia e limite de mandatos, no que pareceu uma tentativa de aproximar seus apoiadores do republicano. Ela também afirmou sempre apoiar o candidato republicano, independente da escolha. “Parabenizo-o e desejo-lhe boa sorte. Desejo felicidades a qualquer um que seja o presidente da América”, declarou.

Últimas

Política