GPS Brasília comscore

Filho de líder do MST é nomeado para gabinete de deputado do PT na Câmara

Rafael assumiu a função no mesmo dia em que a Câmara homenageou os 40 anos do movimento em sessão solene
João Pedro Stedile durante reunião da CPI do MST na Câmara dos Deputados... Leia mais no texto original: (https://www.poder360.com.br/congresso/filho-de-lider-do-mst-ganha-cargo-em-gabinete-de-deputado-do-pt/) © 2024 Todos os direitos são reservados ao Poder360, conforme a Lei nº 9.610/98. A publicação, redistribuição, transmissão e reescrita sem autorização prévia são proibidas | Foto: Reprodução/Poder360

Compartilhe:

Rafael Almeida Stédile, filho do líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) João Pedro Stédile, foi nomeado como secretário parlamentar do deputado federal João Daniel (PT-SE) na quarta-feira, 28. Rafael assumiu a função no mesmo dia em que a Câmara dos Deputados homenageou os 40 anos do movimento em sessão solene.

Em nota, o parlamentar justifica que o filho de João Pedro Stédile cumprirá uma tarefa técnica no gabinete. “Rafael Stédile é formado em publicidade e trabalha como fotógrafo autônomo há mais de dez no mercado corporativo e contribui com movimentos sociais. Apesar de ter uma trajetória de trabalhos ligados a questões políticas não é filiado a nenhum partido e não é militante do MST. Cumprirá uma tarefa técnica de Comunicação para o Gabinete”, diz a nota.

No ano passado, o MST foi alvo de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara, que tinha como objetivo investigar a atuação do grupo e seus financiadores. O ex-ministro do Meio Ambiente e deputado federal Ricardo Salles (PL-SP), relator da comissão, pediu o indiciamento de 12 pessoas e, mesmo sem conseguir aprovação do relatório, enviou o documento à Procuradoria-Geral da República (PGR), à Procuradoria-Geral Eleitoral e o Tribunal de Contas da União (TCU).

João Pedro Stédile chegou a prestar depoimento à CPI e admitiu que invadir a fazenda da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) em Petrolina (PE) “foi um erro”. Ele também negou ligação do movimento com o PT.