GPS Brasília comscore

Espada viking de mais de mil anos é achada na Inglaterra

Trevor Penny viu o objeto no rio Cherwell. Ele foi entregue ao Serviço de Museus de Oxfordshire
A espada achada por Trevor Penny pode ter mais de mil anos
A espada achada por Trevor Penny pode ter mais de mil anos. Foto: Trevor Penny/Divulgação

Compartilhe:

O longo e fino pedaço de metal parecia um poste de andaime quando Trevor Penny o viu nas margens de um rio inglês em novembro passado. Isso não o teria surpreendido, já que, enquanto praticava seu hobby de pesca magnética, desenterrou utensílios domésticos, ferramentas e outros detritos metálicos nos cursos de água perto de sua casa, em Oxfordshire.  Mas a descoberta naquele dia foi uma espada viking enferrujada que estava lá havia mais de mil anos. Encontrada no rio Cherwell e identificada por um grupo arqueológico que rastreia achados públicos, provavelmente data de um período entre 850 d.C. e 975 d.C. Penny disse que a entregou ao Serviço de Museus de Oxfordshire esta semana, onde está deverá ser exposto após a restauração.

A descoberta evoca uma era medieval durante a qual os vikings desembarcaram nas Ilhas Britânicas, atacando, saqueando e comercializando através da Inglaterra e da Escócia. Suas incursões não duraram, mas seus descendentes ainda hoje fazem parte da população britânica. Nos últimos anos, os detectores de metais ajudaram a desenterrar artefatos e tesouros que estavam enterrados no subsolo há séculos. E a pesca com ímã colabora muito. Basicamente é o que parece: um ímã forte é preso a uma corda, que é então jogada em um curso de água.

Os pesquisadores encontraram em 2007 um tesouro viking perto de North Yorkshire que os especialistas consideraram uma das descobertas mais significativas do Reino Unido. Outro tesouro enterrado naquela época foi descoberto em 2014 em Galloway, na Escócia. Mas nem todos os que se deparam com tais descobertas foram imediatamente transparentes: dois homens em 2019 foram condenados por roubo e condenados a pagar US$ 1,5 milhão depois de ocultarem a descoberta de um tesouro anglo-saxão e venderem alguns dos itens.

“Portas de entrada para outros mundos”
Quando Penny, 52 anos, percebeu o que havia encontrado, contatou uma autoridade local responsável por identificar os achados arqueológicos do público. A descoberta foi “mais uma peça do quebra-cabeça que pode lançar luz sobre nossa herança compartilhada”, disse o funcionário Edward Caswell, que documenta as descobertas de Oxfordshire para o Portable Antiquities Scheme administrado pelo Museu Britânico. Mais análises eram necessárias, advertiu ele, mas os especialistas confirmaram que a espada combinava com outras daquela época.

“Encontramos armas vikings, incluindo espadas, depositadas em rios da Inglaterra”, disse Jane Kershaw, professora associada de arqueologia na Universidade de Oxford. Cerca de 70 dessas espadas foram encontradas no Reino Unido, disse ela, e embora a espada de Penny possa ter caído acidentalmente, elas também foram frequentemente atiradas intencionalmente em cursos de água como parte de um ritual.

“Os rios eram vistos como portas de entrada para outros mundos, onde deuses e outras criaturas ou espíritos poderiam viver”, disse ela, acrescentando que os arqueólogos interpretavam tais rituais como um apelo viking por protecção ou sorte, talvez em batalha.

Muitas dessas armas foram encontradas no norte e no leste do país, disse Kershaw. Ela chamou a espada de “exemplo raro” de atividade viking na área. “Está fora da zona normal de localização dessas armas”, disse ela. “Mas os vikings eram ativos naquela área. Há muita coisa que não sabemos sobre suas atividades.”

O que pode ser classificado como tesouro?
Os amadores estão cada vez mais fazendo descobertas importantes, e Kershaw revelou que é fundamental que eles relatem suas descobertas. “É uma informação extremamente valiosa. Enquanto eles estiverem registrando isso, teremos uma arqueologia que de outra forma estaria perdida”, disse.

Mas quem possui os artefatos encontrados hoje pode ser uma questão espinhosa e pode depender de eles serem classificados como “tesouro”. De acordo com a Lei do Tesouro do Reino Unido, os objetos de metal com mais de 300 anos, quando encontrados, devem ser comunicados às autoridades no prazo de duas semanas. Os museus têm a oportunidade de reivindicar objetos, e os descobridores e proprietários de terras podem receber uma recompensa, depois que um objeto é avaliado, se for considerado um tesouro.

Desde que começou a pescar com ímã, há três anos, Penny ajudou a desenterrar outras descobertas, incluindo antigas ferramentas ferroviárias e uma granada suspeita de ser da Segunda Guerra Mundial, que teve de ser detonada com segurança pelas autoridades. “É uma ótima maneira de conhecer pessoas. Conversamos com muitas pessoas que passam, que nos agradecem pela limpeza do ambiente”, disse Penny, que costuma levar o metal que coleta para um ferro-velho local. Ele posta sobre suas descobertas para um grupo local de pesca magnética e até agora não tem planos de parar.”Vou continuar pescando. Espero que com permissão para fazê-lo”, completou.

Últimas

Política