GPS Brasília comscore

Em delação, Cid aponta Carlos Bolsonaro como líder do ‘gabinete do ódio’

Conteúdo do depoimento de Mauro Cid foi revelado por portal; defesa de Bolsonaro nega
Mauro Cid implicou toda a cúpula bolsonarista em sua delação
Delação de Mauro Mauro Cid implicou toda a cúpula bolsonarista em sua delação. Foto: Lula Marques/Agência Brasil

Compartilhe:

O tenente-coronel Mauro Cid disse em sua delação premiada à Polícia Federal que o vereador do Rio de Janeiro, Carlos Bolsonaro (Republicanos-RJ), era o líder do chamado “gabinete do ódio”, grupo de assessores do Palácio do Planalto que atuava nas redes sociais e que é acusado de disseminar notícias falsas contra adversários do ex-presidente da República Jair Bolsonaro (PL). A informação é do colunista Aguirre Talento, do portal UOL.

Além de Carlos, Cid disse que o próprio Bolsonaro estava vinculado à disseminação de notícias falsas contra o processo eleitoral, o que a PF já suspeitava desde que encontrou mensagens enviadas pelo ex-presidente na qual ele pede que o empresário Meyer Nigri “repasse ao máximo” uma mensagem que acusa o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luís Roberto Barroso, de interferir nas eleições.

O advogado de Bolsonaro, Fábio Wajngarten negou ao portal as irregularidades apontadas por Mauro Cid e citou a declaração do subprocurador da República, Carlos Frederico Santos, que disse que ainda é preciso comprovar as informações repassadas pelo ex-ajudante de ordens.

O eminente procurador leu toda a peça e concluiu que a mesma é fraca e desprovida de qualquer elemento de prova. A ‘delação’, segundo o procurador, mais se parece com uma confissão e o mesmo, por reiteradas vezes, disse que nada se aproveita“, declarou Wajngarten.

Segundo o portal, Cid disse que Carlos definia as estratégias de Bolsonaro nas redes sociais e dava ordens para a equipe do “gabinete do ódio”, formada por Tércio Arnaud Tomaz, Mateus Matos Diniz e José Matheus Sales Gomes.

O grupo, investigado no inquérito das milícias digitais, que apura ataques contra as instituições democráticas brasileiras, negou em depoimentos separados à Polícia Federal ter disseminado os ataques.

A delação de Cid foi homologada pelo ministro Alexandre de Moraes.

Responsável pelas investigações, o subprocurador Carlos Frederico disse que não segue o método da Operação Lava Jato.

Eu investigo para comprovar. Não posso partir de ilações. Isso foi o jogo da Lava Jato. Eu não trabalho como o pessoal da Lava Jato. Eu trabalho com provas concretas para que as pessoas sejam denunciadas com provas irrefutáveis”, disse ele.

A delação de Cid coloca Bolsonaro como figura central em uma série de outros casos, como a venda de joias sauditas pela Presidência da República, a tentativa de um golpe de Estado após o presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva (PT), vencer a eleição, e a fraude no cartão de vacina do ex-presidente.

Neste sábado (11), a ex-primeira-dama Michelle Bolsonaro ironizou trecho da delação, também revelado pelo UOL, de que ela e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PL-SP) teriam tentado convencer Bolsonaro a dar um golpe.

Eu sei dar golpe e quero ensinar para vocês agora: jab, jab, direto, cruzado, up, esquiva, up“, declarou Michelle, encenando os golpes de luta no palco de um evento do PL Mulher no Espírito Santo.

Últimas

Política