GPS Brasília comscore

Dino comemora prisão de assassinos de Marielle: “domingo de celebração de fé e justiça”

Após a prisão preventiva de três suspeitos, ministro do STF destaca desfecho do caso
Ministro Flávio Dino, do STF, postou comemoração pela prisão em seu X
Ministro Flávio Dino, do STF, postou comemoração pela prisão em seu X. Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Compartilhe:

Após a prisão preventiva de três suspeitos de mandar matar a vereadora Marielle Franco e o motorista Anderson Gomes, o ministro Flávio Dino, do Supremo Tribunal Federal (STF), escreveu em suas redes sociais, na manhã deste domingo (24), que hoje é um domingo de “celebração da fé e da justiça”. Por ordem da Corte, a Polícia Federal deflagrou a Operação Murder Inc, que também realizou 12 mandados de busca e apreensão no Rio de Janeiro.

Segundo apurou o Blog do Fausto Macedo, do site do jornal O Estado de S. Paulo, foram presos o deputado Chiquinho Brazão (União-RJ), seu irmão Domingos, conselheiro do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro, e o ex-chefe de Polícia Civil do Rio Rivaldo Barbosa. Os três são suspeitos de serem os mandantes do crime. Quem autorizou a operação foi o ministro Alexandre de Moraes, do STF, que assumiu recentemente o caso Marielle.

“Domingo de Ramos, domingo de celebração da Fé e da Justiça. Livro dos Salmos: “Ainda que floresçam os ímpios como a relva, e floresçam os que praticam a maldade, eles estão à perda eterna destinados.” Como a palmeira, florescerão os justos, que se elevarão como o cedro do Líbano”, escreveu Dino, nas redes sociais.

Em dezembro do ano passado, quando ainda ocupava o cargo de ministro da Justiça e Segurança Pública no governo Lula, Dino disse que o caso Marielle seria “em breve integralmente elucidado”. Neste ano, ele assumiu o cargo de ministro do STF, indicado por Lula.

Coletiva às 14h
O ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, convocou uma entrevista coletiva neste domingo, às 14h, para falar sobre a operação da Polícia Federal que prendeu os três suspeitos de mandar matar a Marielle e o motorista Anderson Gomes.

 

Últimas

Política