GPS Brasília comscore

Combate ao mosquito Aedes aegypti ganha mais uma ferramenta

Tinta inseticida já pode ser encontrada no mercado brasileiro. Suas propriedades matam o vetor da Dengue

Compartilhe:

Em 2024, o aumento de casos tem sido exponencial e a saúde pública do Brasil se depara com a missão de combater um dos mais letais problemas endêmicos, o Aedes aegypti. Encontrar alternativas para esse combate é uma necessidade imediata. Para tanto, no mercado brasileiro pode ser encontrada uma tinta inseticida que mata o vetor de algumas enfermidades como a Dengue, Zika, Chikungunya e Malária.

 

Trata-se da Tinta Inseticida Inesfly Carbapaint 10. Essa tecnologia realiza o combate aos vetores da Dengue nos ambientes internos, fazendo a proteção de famílias, usuários de unidades de saúde, jovens em formação acadêmica e prédios públicos em geral. É relevante ser dito que o Aedes aegypti transmite as enfermidades endêmicas dentro de ambientes fechados.

 

“A tinta Carbapaint10 foi desenvolvida para proteger casas e quaisquer outras construções, como escolas e hospitais, contra o vetor Aedes aegypti. A tecnologia foi desenvolvida na Espanha e é comercializada pela Inesfly Brasil em território nacional. A mesma conta com uma tecnologia de ingredientes ativos, com produtos naturais e biocida colocados em microcápsula polimérica (NIMTAC) e que são liberados de forma controlada. A tinta tem duração de até um ano após a aplicação e é atóxica para humanos e animais.” Relata Luiz Rolim, CEO da Inesfly Brasil.

 

Este produto passou pela aprovação da ANVISA – Agencia Nacional de Vigilância Sanitária e tem autorização de comercialização, inclusive de venda livre, em todo território brasileiro. A mesma foi desenvolvida pontualmente para ter um princípio ativo que pudesse atingir o Aedes aegypti, pois no Brasil os mesmos já criaram resistência a alguns tipos de princípios ativos, como os piretróides. A Cientista, Pilar Mateo, criou a formulação com o Carbamato Propoxur.

 

Esta tecnologia já está no mercado europeu a mais de 20 anos e chegou ao mercado brasileiro em 2019. A mesma já está sendo aplicada em vários Municípios de vários Estados brasileiros. Acredita-se que esta tecnologia, por se um produto de ambientes internos, ajudará a reduzir em até 80% dos casos onde a mesma esteja aplicada.

Últimas

Política