GPS Brasília comscore

Calendário de rotina infantil agora tem vacina contra a covid-19

Inclusão visa proteger crianças de desenvolverem casos graves da doença. Esquema é composto por três doses
Sábado de vacinação em 19 regiões administrativas do DF
Para se vacinar é preciso levar o documento de identificação e, de preferência, o cartão de vacina. Em alguns casos é possível tomar mais de uma vacina no mesmo dia | Foto: Sandro Araújo/Agência Saúde-DF

Compartilhe:

O calendário de vacinação infantil deste ano traz uma recente adesão: a partir de janeiro, crianças entre 6 meses e 4 anos receberão doses da Pfizer contra a covid-19. Composto por três doses, a medida foi tomada com base em evidências científicas mundiais e dados epidemiológicos de casos e óbitos pela doença no País.

De acordo com dados do Ministério de Saúde (MS), somente em 2023, o Brasil registrou 3.379 casos de síndrome respiratória aguda grave (SRAG) por covid-19 em menores de 1 ano; e 1.707 na faixa de 1 a 4 anos. A inclusão, portanto, busca proteger as crianças de versões mais graves da doença, além de complicações a longo prazo, como a Síndrome Inflamatória Multissistêmica Pediátrica (SIM-P) e a própria SRAG.

Gerente da Rede de Frio da Secretaria de Saúde (SES-DF), Tereza Pereira explica que a vacinação cria uma barreira de proteção coletiva – conhecida como imunidade de rebanho – e salvaguarda aqueles que não podem ser imunizados. “Vacinar crianças ajuda a reduzir a disseminação do vírus na comunidade. Não incomum, elas podem ser portadoras assintomáticas e transmitir a doença a outras pessoas, incluindo adultos vulneráveis.”

Com a inclusão no Programa Nacional de Imunização (PNI), o imunizante da “Pfizer” será aplicado em crianças entre 6 meses e 4 anos. O esquema vacinal será composto por três doses (D1, D2 e D3). Entre a D1 e a D2, a aplicação deve ocorrer com intervalo de quatro semanas. Entre a D2 e a D3, o espaço será de oito semanas. Após os 5 anos de idade, apenas as crianças que integram os grupos prioritários receberão uma dose de reforço.

De forma geral, as vacinas contribuem para a eliminação de diversas doenças infecciosas, pois atuam no sistema imunológico produzindo células de defesa contra um micro-organismo. Uma vez na corrente sanguínea, o imunizante se apresenta como algo parecido a um agente causador da enfermidade correspondente. Nesse momento, o corpo reage com uma resposta imune e fica pronto para se defender, sem adoecer. Caso isso ocorra, os sintomas apareceram de forma mais amena.

O mecanismo assegura não só a proteção, mas se mostra essencial, principalmente, ao desenvolvimento infantil, permitindo que as crianças participem plenamente da sociedade. A gerente da Rede de Frio lembra que a vacinação é uma medida segura, eficaz e uma ação de responsabilidade social.

A prevenção de doenças por meio da imunização, segundo a profissional, reduz a carga sobre os sistemas de saúde, evitando hospitalizações, tratamentos intensivos e custos associados ao tratamento de doenças evitáveis.

Cobertura infantil abaixo

A cobertura, especialmente no âmbito infantil, ainda não alcançou as metas estipuladas pelo MS. As quatro principais vacinas, com meta de cobertura de 95% para menores de um ano, estão com adesão abaixo do esperado. São elas: pentavalente (cobertura de 81,6%), poliomielite (81,5%), pneumo 10 (82,3%) e tríplice viral (89,5%). A vacina rotavírus também apresenta um número inferior: 78,5%.

Com níveis ainda mais baixos, a cobertura de influenza infantil está em 56,8%. Já contra a covid-19, na faixa etária de 6 meses a 2 anos, a cobertura da D1 é de 27,7%, D2, 17,8% e de D3 9,2%. Já entre os 3 e 4 anos, a cobertura da D1 é de 35,7%, D2 22,4% e de D3 8,9%. Dos 5 até os 11 anos, a taxa de cobertura para D1 é de 74,4%, da D2 é de 57,7%; e da dose de reforço é de 14,6%.

Programa Nacional de Imunização

Criado em 1973, o PNI foca na proteção do recém-nascido ao idoso. As vacinas foram incorporadas com o tempo, em um processo contínuo de avaliação de novas tecnologias, e hoje conta com 49 diferentes imunobiológicos disponíveis à população. Para acompanhar essa quantidade de imunizantes, é formulado anualmente o calendário vacinal e o uso das doses, principalmente as infantis.

No primeiro ano de vida, as crianças recebem a maior parte das vacinas, pois, nessa fase, o sistema imunológico ainda está em formação, deixando os pequenos vulneráveis a várias doenças infecciosas. Nesse momento, entra em cena a responsabilidade dos pais e dos profissionais de saúde para manter a caderneta dos bebês atualizada.

Sarah de Sena Villa Nova, 26, mãe da pequena Cecília, de 8 meses, acompanha as vacinas da filha, tomando precauções para não ocorrer atrasos. “Às vezes, pode passar um ou dois dias, mas sempre por motivos de força maior. Nunca deixei de ir atrás”, garante.

Para ela, as vacinas são importantes principalmente por proteger contra formas mais graves das doenças. Sarah conta que se sente segura em imunizar a filha, sabendo que as doses são resultados de inúmeros estudos e testes. “Os imunizantes nos tranquilizam acerca de problemas de saúde que, antigamente, chegavam a levar crianças à morte.”

Além dos pais, a orientação e o incentivo à vacinação das crianças englobam os profissionais de saúde, que possuem também o papel de explicar as recomendações. Eles são responsáveis por proporcionar um ambiente aberto a perguntas e de respostas a possíveis preocupações.

“As equipes de saúde devem fornecer informações claras e baseadas em evidências sobre a vacinação, explicando os benefícios individuais e coletivos dos imunizantes, destacando sempre o poder que eles possuem na prevenção de doenças graves e suas complicações”, explica Pereira.

Dose de reforço adulta

Além da inclusão recente, outra estratégia tomada pelo MS foi a aplicação de nova dose da vacina bivalente [https://www.saude.df.gov.br/web/guest/w/df-inicia-aplica%C3%A7%C3%A3o-de-nova-dose-da-vacina-bivalente-para-p%C3%BAblicos-priorit%C3%A1rios] aos públicos prioritários: pessoas com 60 anos ou mais e imunocomprometidos acima de 12 anos.

No DF, a SES-DF disponibiliza o imunizante em vários pontos de vacinação da rede [https://www.saude.df.gov.br/locaisdevacinacao], além de possuir estoque. Para receber a dose, é preciso ter tomado a última há pelo menos seis meses. Os usuários devem apresentar documento de identidade com foto, CPF e o cartão de vacina.

Agência Saúde do DF