GPS Brasília comscore

Brasil arranca empate no fim, em jogo de pênaltis duvidosos para a Espanha

Com gols de Rodrygo, Endrick e Paquetá, seleção empata com a Espanha em 3 x 3 no Santiago Bernabéu
No segundo tempo, Endrick e Paquetá fizeram os gols que levaram o Brasil ao empate com os espanhóis
No segundo tempo, Endrick e Paquetá fizeram os gols que levaram o Brasil ao empate com os espanhóis. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Compartilhe:

Endrick entregou seu cartão de visitas à Espanha nesta terça-feira (26). O garoto de 17 anos novamente foi decisivo para mudar o perfil inibido do futebol da seleção brasileira no segunto tempo e buscar o empate por 3 x 3 em sua futura casa, o Estádio Santiago Bernabéu, do Real Madrid, clube que comprou o atacante junto ao Palmeiras e ao qual ele se apresenta em julho. A arbitragem, por sua vez, teve atuação decisiva ao marcar pênaltis inexistentes para os espanhóis.

Os agasalhos pretos com os quais os jogadores da seleção entraram em campo serão doados para o Observatório da Discriminação Racial no Futebol
Os agasalhos pretos com os quais os jogadores da seleção entraram em campo serão doados para o Observatório da Discriminação Racial no Futebol. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

O amistoso foi alinhado entre as federações dos dois países tendo o combate ao racismo como foco. “Uma só pele, uma só identidade” foi a frase escolhida como lema. Vinícius Júnior, do Real Madrid, é alvo recorrente de insultos na Espanha. Uma equipe de seguranças foi posicionada no estádio para fiscalizar eventuais atos racistas.

Com Vini de capitão, Dorival optou por não fazer mudanças na escalação da seleção. Foi mantida a mesma formação da vitória sobre a Inglaterra. Endrick, que marcou o gol do triunfo em Londres, ficou no banco. Já o técnico da Espanha, Luis de la Fuente, colocou em campo desde o início o jovem Lamine Yamal, joia do Barcelona, de 16 anos.

Desde os primeiros movimentos, a seleção espanhola impôs seu estilo de muita posse de bola, pressionou desde o início e encurralou o Brasil. A sequência ofensiva dos donos da casa foi agradiaca com um pênalti. Yamal fez fila na grande área e foi derrubado por João Gomes. Sem auxílio do VAR – indisponível no amistoso -, o árbitro português não teve dúvida em marcar a penalidade, apesar da baixa intensidade do contato. Rodri bateu no meio do gol e pôde comemoram o placar inaugurado, aos 12 minutos.

O Brasil não conseguia sair do campo de defesa. As duas laterais se mostraram os pontos frágeis da seleção brasileira. Foi por lá que a Espanha criou suas melhores oportunidades, fosse pela flanco destro ou canhoto. Enquanto Yamal brilhou pela seleção espanhola, Vini Jr. teve dificuldades para aparecer no time brasileiro.

Quando a seleção brasileira parecia equilibrar as ações ofensivas, veio o choque de realidade. Dani Olmo recebeu passe pelo lado direito da grande área, colocou a bola entre as pernas de Beraldo, deixou Bruno Guimarães na saudade e anotou um golaço, aos 36 minutos. Não tardou muito, e o Brasil pôde comemorar. O goleiro Unai Simón entregou um presente nos pés de Rodrygo. O atacante do Real Madrid bateu de cobertura com categoria para diminuir a vantagem espanhola.

Na volta do intervalo, Dorival promoveu quatro substituições. A principal delas foi a entrada de Endrick no lugar de Raphinha. Aos 5 minutos, a primeira página de uma história foi escrita. Após cobrança de escanteio, a bola ficou viva na grande área, e o atacante do Palmeiras emendou, de primeira, e empatou o jogo para a seleção brasileira. A jogada arrancou aplausos de torcedores espanhóis. O garoto correu para abraçar os pais nas cadeiras atrás do gol.

Vini Jr se movimentou bem e deixou o campo aplaudido de pé pelos torcedores presentes ao estádio
Vini Jr se movimentou bem e deixou o campo aplaudido de pé pelos torcedores presentes ao estádio. Foto: Rafael Ribeiro/CBF

Definitivamente, o Brasil mudou sua postura na etapa complementar. O time acuado deu lugar a uma equipe vertical. Nem mesmo uma guinada ofensiva espanhola alterou o panorama. As duas equipes se mostraram perigosas. Vini foi substituído aos 25 minutos. Ele foi aplaudido de pé pelos torcedores no estádio merengue. A Espanha, então, cresceu no jogo. Bento, titular nas duas partidas, mostrou que tem amplas condições de brigar pela vaga com os experientes Alisson e Ederson.

No fim do jogo, aos 42 minutos, a Espanha se recolocou em vantagem com um novo pênalti. Em um lance normal de jogo, o árbitro português marcou uma penalidade cometida por Beraldo sobre Carvajal. Rodri bateu e fez mais um. No apagar das luzes, quando tudo parecia decidido, um pênalti para o Brasil. Galeno foi derrubado e Paquetá deixou sua marca, aos 51.

 

ESPANHA 3 X 3 BRASIL

ESPANHA – Unai Simón; Carvajal, Le Normand (Cubarsí), Laporte e Cucurella; Fabián Ruiz, Rodri e Dani Olmo; Yamal (Jesús Navas), Morata (Oyarzabal) e Nico Williams. Técnico: Luis de la Fuente.

BRASIL – Bento; Danilo (Yan Couto), Fabrício Bruno, Lucas Beraldo e Wendell; Bruno Guimarães (André), João Gomes (Andreas Pereira) e Lucas Paquetá; Rodrygo (Galeno), Raphinha (Endrick) e Vinícius Júnior (Douglas Luiz). Técnico: Dorival Júnior.

GOLS – Rodri, aos 12, Dani Olmo aos 36, Rodrygo aos 39 minutos do 1º tempo; Endrick, aos 5, Rodrigo aos 32, Lucas Paquetá, aos 51 minutos do 2º tempo. CARTÕES AMARELOS – Laporte, Le Normand, Andreas Pereira, Beraldo, Endrick, Lucas Paquetá e Bruno Guimarães. ÁRBITRO – António Nobre (POR). LOCAL – Estádio Santiago Bernabéu, em Madri (ESP).

Últimas

Política