GPS Brasília comscore

Após operação da PF, Exército diz acompanhar investigação sobre “golpe”

Oficiais militares foram alvo da investida que apura intenção de golpe de Estado pelo governo anterior
Um ano depois, 89% dos brasileiros reprovam invasões de 8 de janeiro
Somente 6% dos brasileiros ouvidos em pesquisa concordam com as invasões e depredações do ano passado | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Compartilhe:

Por Felipe Frazão

Com oficiais-generais e ex-comandantes na mira da Polícia Federal (PF), o Exército Brasileiro e a Marinha do Brasil se pronunciaram nesta quinta-feira (8) sobre a Operação Tempus Veritatis, que atingiu integrantes da cúpula do governo Jair Bolsonaro, além do próprio ex-presidente, e expôs detalhes do envolvimento de militares no que foi descrito pelos investigadores como uma tentativa de golpe de Estado.

Em nota, o Exército afirmou que colabora com as investigações, em tom similar ao adotado pelo ministro da Defesa, José Múcio Monteiro Filho. O comando da Força Terrestre foi avisado previamente pela Polícia Federal da operação.

“O Centro de Comunicação Social do Exército informa que o Exército Brasileiro (EB) acompanha a operação deflagrada pela polícia Federal na manhã desta quinta-feira (8 de fevereiro de 2024), prestando todas as informações necessárias às investigações conduzidas por aquele órgão”, afirma o comunicado oficial.

A operação atingiu uma série de oficiais-superiores e generais. Entre eles, estão três ex-ministros militares, todos generais de quatro estrelas: Walter Souza Braga Netto (Defesa e Casa Civil), Augusto Heleno (Gabinete de Segurança Institucional) e Paulo Sérgio Nogueira de Oliveira (Defesa).

Dois dos alvos também comandaram as Forças Armadas durante o governo Bolsonaro. Além do próprio general Paulo Sérgio, do Exército, o almirante de Esquadra Almir Garnier Santos, da Marinha, estão entre os alvos de mandados de busca e apreensão na Operação Tempus Veritatis (hora da verdade, em latim). A PF apura ainda a participação de outros 13 militares, entre integrantes da ativa e da reserva.

O Centro de Comunicação Social da Marinha emitiu uma nota que evita citar o teor das acusações, apesar de o Supremo Tribunal Federal ter divulgado os detalhes e suspeitas que embasaram a operação.

“Em relação à Operação da Polícia Federal ‘Tempus Veritatis’, a Marinha do Brasil (MB) reitera que não se manifesta sobre processos investigatórios em curso, sob sigilo, no âmbito do Poder Judiciário. Consciente de sua missão constitucional, a MB, Instituição nacional, permanente e regular, reafirma que pauta sua conduta pela fiel observância da legislação, valores éticos e transparência”, diz o texto da Força Naval.

A Força Aérea Brasileira (FAB) foi a única das três Forças Armadas a não se manifestar. A investigação cita o ex-comandante-geral, brigadeiro Carlos de Almeida Baptista Júnior, mas até o momento ele não se tornou alvo.

Segundo a PF, uma nota conjunta dos então comandantes assinada em 2022 teria sido relevante para “manutenção e intensificação das manifestações antidemocráticas, em vista do suposto respaldo das Forças Armadas ao movimento”.

Os investigadores identificaram que Almir Garnier, Baptista Junior e o ex-comandante do Exército Marco Antônio Freire Gomes foram convocados pelo ex-presidente Jair Bolsonaro para reunião em que o mandatário apresentou a minuta de um decreto golpista e pressionou os comandantes a aderirem.

O conteúdo da investigação mostra que o então comandante da FAB foi pressionado, entre outros, pelo ex-ministro Braga Netto e considerado “traidor da pátria”, em tese, por não aderir ao intento.