GPS Brasília comscore

“A luta pela paridade entre PCDF e a PF é questão de respeito”, diz presidente do Sinpol-DF

Enoque Venancio de Freitas ressalta a importância da igualdade salarial entre as corporações
Enoque Venancio de Freitas
Enoque Venancio de Freitas | Divulgação

Compartilhe:

Em meio às discussões sobre a paridade salarial entre os policiais civis do Distrito Federal e seus colegas da Polícia Federal (PCDF), que está na mesa de negociações com o governo federal, o presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpol-DF), Enoque Venancio de Freitas, destacou a importância dessa reparação histórica necessária em artigo (leia abaixo na íntegra) divulgado nesta sexta-feira (7).

“A greve dos policiais federais em 1994 foi um marco na busca pela igualdade salarial, e hoje continuamos na batalha pela valorização e reconhecimento da PCDF”, ressaltou.

Enoque reforçou que a simetria salarial não é apenas uma questão de cifras, mas de respeito e reconhecimento pelo trabalho árduo dos policiais civis do DF.

“Esses profissionais dedicam suas vidas à proteção da capital do país e merecem ser valorizados de forma justa e equitativa”, destacou.

Para o presidente do Sinpol-DF, a restauração da simetria salarial entre as corporações não é apenas uma demanda sindical, mas um imperativo moral e uma questão de justiça para com os investigadores.

“A valorização e dignificação dessa profissão são essenciais para a segurança dos cidadãos, e é hora de todos reconhecerem e apoiarem essa luta”, afirmou.

 

Leia o artigo:

Da paridade à desigualdade: passado e presente na história entre policiais civis e federais

Por Enoque Venancio de Freitas*

No cenário turbulento de 1994, um movimento histórico ecoou pelos corredores do sindicalismo brasileiro: a greve dos policiais federais em busca de igualdade salarial com seus colegas da Polícia Civil do Distrito Federal (PCDF). Há exatos 30 anos, essa demanda justa e urgente chamou a atenção do país e foi destaque nos jornais. Hoje, em 2024, a luta continua, mas dessa vez são os policiais civis do DF no centro dessa batalha por reconhecimento e valorização para alcançar simetria com os irmãos federais.

Naquela época, os policiais federais exigiam o cumprimento da lei n° 7.702/88 e da lei complementar n° 7.995/90, que determinavam de maneira expressa a isonomia salarial com a PCDF. Sob a liderança da Federação Nacional dos Policiais Federais (Fenapef), eles lutaram incansavelmente por seus direitos, evidenciando a importância da paridade salarial entre as duas corporações.

Agora, em pleno 2024, os policiais civis do DF ainda enfrentam os desafios de uma simetria salarial perdida. Desde 2016, o Sindicato dos Policiais Civis do DF (Sinpol-DF) tem sido incansável na batalha pela restauração dessa igualdade, sem qualquer intervalo. No entanto, os esforços parecem encontrar resistência nos corredores do poder.

A greve de 1994 dos policiais federais não foi apenas um momento isolado na história, mas um testemunho da relação simbiótica e histórica entre as duas corporações. Os policiais civis do DF, cientes de sua história e importância, não pedem mais do que o justo: o restabelecimento da simetria salarial com seus colegas federais.

A luta pela simetria salarial entre a PCDF e a PF não é apenas uma questão de cifras, mas de respeito e reconhecimento pelo árduo trabalho dos policiais civis do DF, que dedicam suas vidas a proteger e servir à capital do país. É hora de os governos reconhecerem essa dívida histórica e agirem com justiça e equidade.

Restabelecer a simetria salarial entre essas corporações não é apenas uma demanda sindical, mas um imperativo moral e uma questão de justiça com esses investigadores. Afinal, aqueles que colocam suas vidas em risco pela segurança e ordem pública merecem ser valorizados e respeitados, não apenas em palavras, mas em ações concretas.

Os policiais civis do DF não estão apenas lutando por si mesmos, mas por uma causa maior: a valorização e dignificação de uma profissão essencial para a segurança dos cidadãos. É hora de todos reconhecerem e apoiarem essa luta, pois recuperar a simetria salarial entre policiais civis e federais não é um privilégio, mas um direito fundamental desses trabalhadores do serviço público.

*Enoque Venancio de Freitas é oficial investigador de polícia veterano (aposentado) da PCDF e presidente do Sinpol-DF