GPS |

Coça coça

COLABORADOR André Braga   
|   14/01/2018 13:11 ( atualizada 14/01/2018 13:11)   
FOTO Reprodução   

É tempo de calor, verão, folia e carnaval. Esse cenário lindo e agitado, na realidade, é perfeito para algumas doenças aparecerem, em especial a conjuntivite. Ela é a inflamação ou infecção da membrana externa do globo ocular (parte branca dos olhos) conjuntiva causada por agentes tóxicos, alergias, bactérias ou vírus.

 

Geralmente, essa enfermidade se inicia com coceiras nos olhos, comumente mais sutis. Aproximadamente um dia depois, vermelhidão, lacrimejamento, secreção (purulenta na bacteriana e esbranquiçada na viral) e inchamento das pálpebras aparecem, completando o quadro. Ardência, fotofobia e embaçamento da visão podem aparecer junto com estes sintomas. A conjuntivite, porém, é de fácil tratamento e dificilmente deixa sequelas.

 

A conjuntivite infecciosa é a mais comum, causada por vírus ou bactérias. Nesses casos, é contagiosa e pode ser transmitida pelo contato direto com as mãos, com secreção ou objetos contaminados. Portanto, a dica é evitar aglomerações e lavar com frequência o rosto e as mãos, uma vez que são meios de fácil contaminação. São atitudes simples que evitam a proliferação da doença.


 

A mais comum é a viral em seguida a bacteriana, facilmente transmissíveis entre pessoas. Outras causas comuns são as alérgicas ou por contato com produtos tóxicos causada pelo contato direto com alguns agentes como  produtos de limpeza, sabão, cloro, tintas e qualquer outro item irritante. Uma das causas mais graves e mais agressivas é a conjuntivite pelo químico  cal, que pode levar a sérios danos na córnea.

 

Diagnóstico e tratamento

 

Conjuntivite é facilmente detectável através do exame clínico para o médico generalista ou oftalmologista, baseado nos sinais e sintomas do paciente. Para melhor precisão, pode ser feito um exame oftalmológico chamado biomicropsia, que aumenta a imagem em pelo menos 10 vezes, permitindo uma visualização perfeita da mucosa conjuntival.  Em alguns casos, pode ser feita a coleta da secreção para análise.

 

O tratamento é baseado no agente causador da patologia. Nos casos virais, não existem medicações específicas, apenas remediam-se os sintomas. Nas infecçõess bacterianas, é comum a prescrição de colírios com antibióticos, bem como nas alérgicas o uso de anti-histamínicos é essencial, tanto via oral quanto aplicados no colírio. As conjuntivites causadas por agentes químicos pedem outro tipo de atenção. É necessária a avaliação emergencial por um médico especialista, pois dependendo do agente químico, as sequelas podem ser graves e permanentes. Hoje, existem vários hospitais oftalmológicos que funcionam 24h por dia e que fazem esse tipo de atendimento de urgência.

 

Fica a dica

 

Não coce os olhos! Isso pode potencializar a proliferação dos agentes causadores da doença. Não se automedique! Qualquer acidente com produtos químicos, lave com água abundante e dirija-se imediatamente a um especialista. Outra dica é não compartilhar o uso de esponjas, rímeis, delineadores ou qualquer outro produto de beleza que entre em contato com os olhos.

 


Todos os direitos reservados - 2014
Política de Privacidade
Termos e Condições
Anúncie Conosco:
SHIS QI 05, Bloco F, sala 122, Centro Comercial Gilberto Salomão
CEP 71615-560 - Brasília - DF - Brasil
Telefone: +55 (61) 3364-4512 | Email: info@gpsbrasilia.com.br
{slideshow_baner}