GPS | COTIDIANO

Nunca é tarde demais

COLABORADOR Deborah Sogayar   
|   27/11/2017 16:20 ( atualizada 27/11/2017 16:20)   
FOTO Reprodução/Cortesia   
Com o objetivo de mudar de vida ou implementar a carreira, cresce a procura por intercâmbio depois dos 30 anos

O entendimento de que intercâmbio só se faz quando jovem é coisa do passado. Nos últimos anos, o crescimento de ofertas de companhias voltadas à esse tipo de viagem para quem tem entre 30 e 40 anos aumentou em 80%. Para muitos, a idade marca uma fase de amadurecimento pessoal, com início da estabilidade financeira e de investimento na carreira. Normalmente, a aventura é usada tanto para superar algum tipo de trauma quanto para imergir em novas culturas e línguas.

 

É o caso de Adriana Nogueira  que decidiu ir para Cape Town, na África do Sul, após perder a mãe, 4 meses antes da viagem. Para além de apenas esfriar a cabeça e dar um up na vida, ela decidiu intensificar os estudos de inglês por três meses em outro país. Na época, a administradora estava com 33 anos e acredita ter aproveitado a viagem com uma ótica diferente da dos jovens.

 

 

Quando ainda estava na faculdade, Adriana fez parte de uma equipe de consultoria que prestou serviços ao governo Moçambicano. Passou três meses no país, em 2003 e depois em 2005. Por se tratar de viagem a trabalho, ela acredita que a interação e aprendizado foram muito diferentes. Ademais, em Moçambique fala-se português e ela sentiu falta do aprendizado da língua. “Era um intercâmbio a trabalho, mas íamos muito à África do Sul a turismo nas folgas, e a falta do inglês foi bem sentida”, conta. Por esse motivo, decidiu aventurar-se mais uma vez em terras africanas, agora para aprender inglês.


 

Take a chance

 

Intercâmbio também é oportunidade para se arriscar. Aline Lacerda, 39, trabalhava como bancária quando resolveu jogar tudo para o alto e seguir o sonho de ser tradutora. Após terminar um relacionamento, ela resolveu tirar férias para viajar mas, em vez de turistar, Aline decidiu estudar. Então, ela se planejou e passou 5 meses estudando inglês no país de Malta, na Europa. “Eu fui morrendo de medo, apavorada, cheguei lá e não sabia o que fazer. Mesmo assim, decidi mudar toda a minha vida com a coragem de dizer ‘eu posso’, mesmo mais velha”, afirma. Segundo ela, depois dos 30 as pessoas têm muito medo de fazer as coisas, principalmente quando está tudo estabelecido, como família, trabalho, casa, entre outras coisas.

 

Ela conta que, por ter parado as aulas de inglês há tantos anos, não sabia a que nível estava na proficiência da língua. Por isso, se matriculou em um curso intensivo. Tinha medo de não fazer amigos e ficar sem programa para as horas livres. “No fim das contas, conheci inúmeros amigos. Eu falo que nos três primeiros dias eu me perdi. No quarto, já tava bebendo com os colegas”, brinca. Para ela, tamanha as mudanças de vida, a experiência teria sido completamente diferente se realizada mais jovem. 

 


Todos os direitos reservados - 2014
Política de Privacidade
Termos e Condições
Anúncie Conosco:
SHIS QI 05, Bloco F, sala 122, Centro Comercial Gilberto Salomão
CEP 71615-560 - Brasília - DF - Brasil
Telefone: +55 (61) 3364-4512 | Email: info@gpsbrasilia.com.br
{slideshow_baner}